Pages

Buscapé

link de busca




Ernest Sarlet

Art. I: 
Que a estrela que guiou os Reis Magos para o caminho de Belém
guie-nos também nos caminhos difíceis da vida. 

Art. II: 
Que o Natal não seja somente um dia, mas 365 dias. 

Art. III: 
Que o Natal seja um nascer de esperança, de fé e de fraternidade. 

Parágrafo único: 
Fica decretado que o Natal não é comercial, e sim espiritual. 

Art. IV: 
Que os homens, ao falarem em crise, 
lembrem-se de uma manjedoura e uma estrela, 
que como bússola, 
apontem para o Norte da Salvação. 

Art. V: 
Que, no Natal, os homens façam como as crianças: 
dêem-se as mãos e tentem promover a paz. 

Art. VI: 
Que haja menos desânimos, desconfianças, desamores, tristezas.
E mais confiança no menino Jesus. 

Parágrafo único:
Fica decretado que o nascimento de Deus Menino é para todos:
pobres e ricos, negros e brancos.

Art. VII: 
Que os homens não sigam a corrida consumista de "ter", 
mas voltem-se para o "ser", louvando o Seu Criador. 

Art. VIII: 
Que os canhões silenciem, 
que as bombas fiquem eternamente guardadas nos arsenais, 
que se ouça os anjos cantarem Glória a Deus no mais alto dos céus. 

Parágrafo único: 
Fica decretado que o Menino de Belém 
deve ser reconhecido por todos os homens
como Filho de Deus, irmão de todos! 

Art. IX: 
Que o Natal não seja somente um momento de festas, presentes.

Art. X: 
Que o Natal dê a todos um coração puro,
livre, alegre, cheio de fé e de amor. 

Art. XI:
Que o Natal seja um corte no egoísmo. 
Que os homens de boa vontade comecem a compartilhar, 
cada um no seu nível, em seu lugar, 
os bens e conquistas da civilização e cultura da humildade. 

Art. XII: 
Que a manjedoura seja a convergência 
de todas as coordenadas das idéias,
das invenções, das ações e esperanças dos homens
para a concretização da paz universal. 

Parágrafo único: 
Fica decretado que todos devem poder dizer, 
ao se darem as mãos: 



por Adriana Carvalho 
Olá irmãos,líderes de grupos de casais, vou deixar aqui uma dinâmica para vocês trabalharem com os casais.


material:
-1 banana bem bonita, sem defeitos e não muito madura
-1 agulha
-prepare o material antes da reunião começar para que os casais não vejam;
-pega -se a banana e com ajuda da agulha faça um furo na casca até que você perceba que transpassou o miolo e encostou no outro lado da casca sem furar este lado,e nesse furo, faça movimento vai e vem para poder cortar a banana.Isso você vai fazer em toda a banana.Dê um espaço entre um furo e outro para que a banana quando aberta saia em rodelas a polpa.Você vai fazer isto e quando for fazer a dinâmica você irá perguntar para os casais “Como está seu casamento ? Olhem essa banana que linda ! Parece estar muito boa, procure algum defeito nela, não parece que tá legal?” Peça para eles responderem, eles responderam que parece estar muito boa mesmo, então, você pega e vai descascando a banana devagar para que vá caindo rodelas de banana , e você fala para eles:
“Queridos olha só agora como está a banana que se aparentava linda por fora, mas que por dentro está toda em pedaços” , e você pergunta novamente?
E como está o casamento de vocês? Em bom estado como a banana estava antes ou assim como esta agora? E comente com eles que muitos casais vivem um casamento assim mostrando aos outros que estão muito bem, quase perfeito, mas que na verdade estão precisando de ajuda, pois seu casamento está fragmentando como a banana. 



O menino olhava com interesse a nova vila para onde se havia mudado. Um estranho lhe perguntou: "O teu lar está aqui nesta vila?" 
O garoto então respondeu: "Sim, Senhor, nosso lar está aqui, embora ainda não tenhamos conseguido casa. Papai está construíndo uma."
Podemos mudar de casa, mas não de lar.
Lar significa: Calor humano, amor, ternura, simpatia, compreensão, comunicação afetuosa entre pais e filhos.
Casa é feita de pedra e barro, lar é feito de amor.
O lar pode ser achado num palácio ou numa choupana, no pequeno apartamento de uma grande cidade, ou no cume de uma montanha. Há lar onde existe amor.
Material para líderes de casais: Dinâmicas 


Distribua aos casais uma folha com a lista , uma para o marido e outra para a esposa. Peça que assinalem as mudanças que esperam de seus cônjuges, individualmente. Você pode pedir para um casal voluntário ler os seus pedidos de mudanças, aquilo que desejam que aconteça na vida do outro. Sugira que eles se comprometam em atender aquele pedido. 

Esta lista foi encontrada no livro de Gary Chapmam, “Como mudar o que mais irrita no casamento”.

Mudanças que eu gostaria de ver em minha esposa.


Não se irritasse tanto com nossos filhos.

Falasse mais sobre seus sonhos e medos.

Passasse trinta minutos por dia conversando comigo.

Mantivesse a escrivaninha organizada.

Não fizesse faxina e limpeza quando eu estivesse em casa.

Fosse mais segura quanto à aparência e estivesse disposta a usar uma roupa mais "sexy" de vez em quando.

Parasse de falar do passado.

Parasse de tentar controlar meus pensamentos e minhas ati¬vidades, ditando-me ordens.

Não se preocupasse tanto.

Não agisse como se fosse minha mãe (lembrando-me, por exemplo, de escovar os dentes).

Visse o que é positivo em vez de olhar apenas o negativo.

Respondesse às minhas perguntas com uma frase afirmati¬va ou negativa, e não com outra pergunta.

Expressasse com palavras sua admiração por mim.

Expressasse com palavras que se sente atraída por mim.

Lavasse e limpasse o carro toda semana.

Conversasse comigo.

Arrumasse a bagunça que faz.

Começasse a se aprontar mais cedo para chegarmos pon¬tualmente aos compromissos.

Descansasse e aproveitasse a vida um pouco mais (assistisse à televisão comigo, por exemplo).

Tomasse a iniciativa de ter sexo quando estivesse a fim, pois estou quase sempre a fim.

Parasse de me criticar diante de nossos filhos.

Guardasse suas roupas, em vez de deixá-las jogadas no chão.

Não fosse tão crítica.

Mantivesse o carro mais limpo.

Freqüentasse uma academia de ginástica e entrasse em forma.

Aprendesse a dormir com a luz acesa para que eu pudesse ler.

Tivesse mais consciência dos problemas de saúde relaciona¬dos a seu peso.

Acabasse com parte da tralha que acumulamos em casa.

Realizasse as tarefas da casa de maneira mais sistemática.

Tivesse disposição de ajudar-me a ensinar aos filhos o valor do trabalho.

Permitisse que eu cozinhe com mais freqüência.

Não ficasse irritada o tempo todo, mas fosse mais paciente comigo e com as pessoas.

Tivesse mais desejo sexual.



Controlasse melhor os animais de estimação.

Perseverasse em suas metas, apesar das dificuldades.

Fosse mais gentil ao falar comigo e a respeito das pessoas.

Permitisse expressar minhas opiniões, mesmo não concor¬dando comigo.

Não questionasse minhas decisões em áreas que não são a especialidade dela, como a compra de pneus para o carro, por exemplo.

Tivesse mais intimidade comigo na cama.

Elogiasse meu trabalho e me dirigisse palavras positivas todos os dias.

Parasse de me rebaixar.

Não tivesse uma atitude tão crítica e superior em relação a mim e me desse mais apoio.

Não exigisse tanto de si mesma, em casa, no trabalho, na igreja.

Não me interrompesse quando discutimos um assunto.

Desenvolvesse o hábito de me beijar todas as manhãs quan¬do saio para o trabalho.

Aprendesse a discutir questões difíceis sem se pôr na defensi¬va e sem interpretar meus comentários como críticas pessoais.

Massageasse minhas costas três vezes por semana.

Fosse a um café comigo.

Não pegasse no sono enquanto estou falando com ela.

Tivesse mais tranqüilidade em deixar alguém tomar conta das crianças para podermos sair e nos divertir juntos.



Mudanças que eu gostaria de ver em meu marido

Conversasse comigo todas as noites por dez minutos.

Limpasse a garagem e a mantivesse em ordem.

Saísse para caminhar comigo todas as noites.

Assistisse menos ao canal de esportes.

Não acelerasse o carro de 0 a 100 km/h em 8 segundos quando está irritado.

Tivesse disposição de me ajudar com o banho dos filhos.

Conseguisse aceitar algumas de minhas sugestões. Ele é mui¬to sensível a qualquer comentário de minha parte que não seja totalmente positivo.

Não pegasse no sono enquanto estou falando.

Tivesse a iniciativa de me convidar para sair com ele uma ou duas vezes por mês.

Parasse de fumar.

Parasse e me desse total atenção (deixasse o jornal, palavras cruzadas, etc.) quando estou tentando falar com ele. 

Não procrastinasse. Seu lema é "amanhã eu faço". 

Expressasse quanto gosta de mim e daquilo que faço. Brincasse mais com as crianças.

Parasse de empilhar papéis na mesa ou os organizasse com freqüência.

Criticasse menos meu trabalho em casa. 

Parasse de espalhar coisas por toda casa, deixando uma tri¬lha de bagunça por onde passa. 

Pensasse mais naquilo que é importante para mim. 

Gastasse nosso dinheiro com mais moderação e planejasse comigo um modo de pagar as dívidas. 

Ajudasse a arrumar a bagunça na casa, em vez de me mos¬trar a necessidade de fazê-lo.

Dedicasse dez minutos por dia para lermos a Bíblia e orar¬mos juntos.

Perguntasse como ele pode ajudar no serviço da casa.

Permitisse que eu expresse meus sentimentos sem reagir com raiva.

Fosse mais gentil ao falar comigo.

Desligasse a TV e conversasse comigo por alguns minutos.

Fizesse exercícios comigo e tentasse entrar em forma.

Limpasse o pára-brisa e as janelas do carro.

Parasse de assoar o nariz durante as refeições.

Conversasse comigo antes de tomar decisões. Gostaria de ser sua parceira e formar uma equipe.

Guardasse os sapatos dele no armário.

Fosse para a cama comigo para que pudéssemos conversar e fazer amor.

Demonstrasse esforço em falar corretamente. Ele costuma usar tempos verbais incorretos, algo que o faz parecer igno¬rante quando, na verdade, é extremamente inteligente.

Aprendesse a ter boas maneiras à mesa.

Respeitasse minha necessidade de ter um pouco de tempo para ficar sozinha. Ele é maravilhoso e prestativo, mas pre¬ciso de um pouco de privacidade.

Elogiasse aquilo que faço e minha aparência; me encorajasse.

Guardasse as coisas quando termina de fazer algo na casa.

Parasse de superproteger as filhas (de 18 e 20 anos). Elas precisam enfrentar as conseqüências de suas escolhas.

Dedicasse a mim o mesmo tempo, a mesma energia, o mes¬mo amor e a mesma devoção que dedica ao trabalho e aos exercícios físicos. No fim do dia, tenho a impressão de que fico apenas com as sobras.

Colocasse o braço em minha cintura e segurasse minha mão quando andamos juntos.

Tivesse a iniciativa de me convidar para sair com mais fre¬qüência.

Cortasse a grama do jardim antes de parecer uma selva.

Deixasse de dizer palavrões quando fica com raiva.

Dedicasse tempo a Deus, a mim e a nossos filhos.

Viesse a mim, me abraçasse e me tocasse, mesmo que não terminasse em sexo.

Assumisse a responsabilidade de lidar com as finanças.

Encontrasse bons amigos ou atividades que lhe dessem algum tempo de lazer longe de mim. Dessa maneira, eu poderia passar tempo com minhas amigas sem me sentir culpada.

Ganhasse o suficiente para eu não precisar trabalhar tempo integral.

Olhasse em meus olhos atentamente e conversasse comigo por mais de cinco minutos.

Tomasse meu partido ou me defendesse diante dos pais dele.

 

“Mas, se te casares, não pecas; e, se a virgem se casar, não peca.  Todavia os tais terão tribulações na carne, e eu queria poupar-vos” – I Coríntios 7:28.
É bom relembrar !
Bem que o texto acima deveria decididamente ser incorporado a toda cerimônia de casamento, e igualmente ministrado nos cursos de noivos, assim, possivelmente traria mais responsabilidade por parte dos pretendentes em relação ao importante passo a ser dado e não restaria a “desculpas” muitas vezes pífias de que o casamento se tornou em “tribulação”.
Ora, biblicamente casamento e tribulação andam de mãos dadas ! Sim isso mesmo.  Quem quiser se livrar desse tipo de tribulação, que não se case; e quem se casou, que busque forças no Senhor (como na mensagem de ontem) para suportar e se sair “aprovado(a).  Quando ocorre casamento, Deus não traz ambos os noivos pelos colarinhos e força-os unirem-se, todavia, Ele se faz presente como “testemunha” de uma “aliança”; (decisão da vontade), portanto de livre escolha por parte dos noivos – (Malaquias 2:14).  Assim, quando se comprometem a “amar” o outro – na alegria ou na tristeza – na riqueza ou na pobreza – na doença e na saúde, estão automaticamente assumindo um compromisso um com o outro e ambos com Deus de que ACEITAM o desafio de enfrentar tempos de bonança e tempos de tribulações juntos.  Um do ladinho do outro, mesmo que “o outro” seja o protagonista da momentânea tribulação.
É lamentável que muitos casamentos sejam destruídos por causa da dureza de coração, pois negligenciarem a Palavra e não se submeterem um ao outro – mesmo diante de tribulações – seja elas quais forem.
Deus tem seu trono firmado na justiça – Salmo 89:14 – e não deixou de “alertar” a todo moço e moça de que enfrentarão “tribulações” próprias de casados.  Essas tribulações podem até mesmo ser a traição por parte de um dos cônjuges.  Tampouco isso é motivo (diante de Deus) de divórcio e novo casamento.  A Bíblia permite separação, MAS que viva só ou que se reconcilie com o cônjuge.  I Coríntios 7:11.  Sei que alguns não concordarão com a “polêmica” questão da separação ou divórcio, mas segue alguns apontamentos para que meditem a respeito; e antes de quaisquer questionamentos a respeito lembremo-nos de que o Senhor ODEIA o divórcio (Malaquias 2:16) e portanto, não compete a nenhum cônjuge ou quem quer que seja (pastor, padre, pai, mãe, parentes, amigos, etc.) laborar por algo que Deus odeia.  Certamente isso gerará muita conta a ser prestada a Ele um dia, por parte de quem assim agir.
1) Deus não força ninguém a casar.  Isso é de livre escolha de cada um, todavia, o próprio Deus ALERTA de que tribulações virão e isso é certo.I Coríntios 7:28. 
2) Quando alguém busca EM DEUS, a confirmação SOBRE um moço ou uma moça para se casar, dificilmente tal casamento sofrerá baixa, pois, ambos se unirão para vencer as tribulações e buscarão em Deus força para tal, pois fatalmente sempre haverá diferenças entre eles.
3) Igualmente Deus não deixa de informar em Sua Palavra que o verdadeiro amor: É SOFREDOR, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.  Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; TUDO sofre, TUDO crê, TUDO espera, TUDO SUPORTA.  I Coríntios 13.
4) Se não bastasse os argumentos acima, ainda Deus chama-nos a atenção de que a tribulação é LEVE e MOMENTÂNEA, todavia o fruto que ela produz é um peso eterno de glória mui excelente.  2 Coríntios 4:17.  Portanto, Está pensando em se casar ?  Saiba que fatalmente enfrentará tribulações e as mesmas não servirão de “desculpas” para te separar !  Já se casou ?  Não pense em separar, mas assuma seu papel e lute, pois a tribulação é leve e momentânea produzindo eterno peso de glória !  Separou-se ?  OU permaneça só OU se reconcilie com seu cônjuge !  Shalom !

 

Então Josué, filho de Num, servidor de Moisés, um dos seus mancebos escolhidos, respondeu e disse: Meu Senhor Moisés, proíbe-lho.  Moisés, porém, lhe disse: Tens tu ciúmes por mim?  Oxalá que do povo do Senhor todos fossem profetas, que o Senhor pusesse o seu espírito sobre eles!(Gn. 11:28-29)
I-INTRODUÇÃO
O assunto que estaremos abordando em nosso estudo é extremamente sério e complexo, pois envolve o psique humano onde ficam as nossas emoções que comandam nossa vida afetiva, o ciúmes é um desses sentimentos que vivenciamos em nossas relações afetivas que desenvolvemos ao longo da nossa vida, portanto precisamos conhecer esse sentimento que todos nós temos e sabermos até onde ele é normal e quando ele passa a ser prejudicial a nós e ao nosso relacionamento com o outro.
 II-DEFINIÇÃO 
O sentimento “doloroso” que nasce do desejo de posse da pessoa amada, da suspeita ou certeza da infidelidade ou da exigência de um amor inquieto…  Na raiz da palavra, implica vício, dependência, impossibilidade de parar que traz em si uma soma de outros sentimentos negativos como o medo de perder, a inveja, a desconfiança e o ressentimento.  Em alemão, ciúme está relacionado fogo, com o queimar e com doença.  Portanto, em sentido literal ciúme significa: “doença que arde”.  o Sócrates o definiu como “a dor da alma”.  o o ciumento aspira a uma fusão total.  Exige que o outro se comprometa cada vez mais e nunca está satisfeito com o que recebe.  Pelas definições acima podemos sintetizar o ciúme com um sentimento de perda e posse, são sentimentos que arde e devora a pessoa interiormente quando ela não consegue atingir seu alvo que é ter posse da pessoa amada e aplacar o sentimento de perda que sofre.
 II-COMO O CIUMENTO ENXERGA A REALIDADE 
Os ciumentos sempre olham para tudo com óculos de aumento, os quais engrandecem as coisas pequenas, agigantam os anões e fazem com que as suspeitas pareçam verdades.” (Cervantes Uma das características do ciumento é a sua capacidade de criar situações fora da realidade, ou seja, criar motivos inexistentes para fundamentar seus ciúmes, vê coisa a onde não existe, e quando voltam-se para a realidade enxergam as coisas com desconfianças e suspeitas, incredulidade, dúvidas profundas em relação a si mesma, acusações, chantagens emocionais, sintomas de doenças físicas, fantasias de vingança .
III- COMO IDENTIFICAR ESSE SENTIMENTO 
 Começa a estruturar a vida em função do ciúme.  o Se sente angustiada, inquieta, ansiosa por não conseguir controlar o outro.  o Não aceita que o seu parceiro (ou parceira) saia (e se divirta) sem a sua companhia, mesmo que seja para uma atividade que você odeie.  o Sente a necessidade de saber contentemente onde o outro está.  o Não respeita a intimidade do seu parceiro (ou parceira) revistando as suas coisas íntimas: gavetas, carteiras, roupas, telemóveis, entre outros.  o Cria situações para o “apanhar” em flagrante.  o Não confia em nada que o seu parceiro diz, nem nas outras pessoas que testemunham em seu favor.  o Dá por si a armar uma cena e ciúmes sem motivos.
  IV- ALTERAÇÕES PROVOCADA POR ESTE SENTIMENTO 
O stress emocional o stress físico o tensão no relacionamento o emoções descontroladas o constrangimento público o violência física o perda do parceiro o sentimento de culpa Todo esse quadro dramático é gerado na pessoa pelo simples fato dela não Ter o controle total de seu amado, é essa falta de controle absoluto sobre a outra pessoa que leva a essa situação, o sentimento de insegurança é muito grande no interior da pessoa para aplacar esse sentimento devastador a pessoa tenta de todas as forma manter o controle do outro, com o intuito de te – lo só para si, sem que ninguém possa chegar perto ou Ter qualquer tipo de relacionamento com o seu amado.  A tradução francesa do termo ciúmes exemplifica essa situação: “jalousie” significa ciúme.  Dela derivou o termo “gelosia” que por muito tempo se usou para denominar a janela.  Segundo o doutor em Letras Dionísio da Silva, “maridos ciumentos teriam trazido a persiana ou a veneziana para as casas para evitar que as mulheres pudessem ser vistas da rua, mas sem impedi-las de ver o que se passava lá fora”.
 V- DIFERENÇA DE CIÚMES ENTRE HOMENS E MULHERES
O ciúmes nos homens esta relacionado mais ao aspecto físico, pois esse se sente dono da sua parceira tendo em mente a posse da sua sexualidade.  o Ao passo que as mulheres são levadas a experimentar este sentimento quando criam um relacionamento afetivo de seu parceiro com outra mulher.  Em ambos os casos esta em jogo o sentimento de posse que criamos em relação ao outro, se ele (a) me pertence então será meu ou minha para resto da vida, quando isso não é alcançado então o ciumento tende a Ter comportamento agressivo colocando a vida do parceiro em risco e até matando o seu parceiro para que ninguém venha possui – lo.  Até aqui estudamos este sentimento levando em consideração o aspecto patológico desse sentimento, que leva as pessoas a praticarem coisas terríveis para assegurar a posse do seu parceiro.
  VI- QUANDO PODEMOS CONSIDERAR O CIÚMES ALGO NORMAL
 A psicóloga Mariza Figueiredo explica a normalidade do ciúmes da seguinte maneira : Em doses comedidas, o ciúme é considerado uma coisa normal.  ”O ciúme e o amor andam de mãos dadas.  Quando há um investimento afetivo e emocional na relação, uma entrega, é natural que a ameaça de perda do outro dê origem a esta emoção” Como podemos ver o ciúmes faz parte do relacionamento afetivo entre duas pessoas, ele serve como se fosse um termômetro na relação, pois quando amamos nos importamos com a pessoa amada, o que nos levará a reagir quando por exemplo um outro homem olha de maneira cobiçosa para a pessoa amada, o que ocorre com a mulher também.  Este tipo de ciúmes é considerado transitório, ou seja, não é duradouro, como é o caso do ciúmes patológico, e é caracterizado por surgir baseado em fatos reais e não fruto de um a imaginação perturbada, é um sentimento que nos coloca em sinal de alerta e prudência para defender nosso (a) amado (a) contra qualquer tipo de ameaça.  Este tipo de ciúmes dentro de sua normalidade possui aspectos positivos tais como:
 *leva a um exame sobre a saúde da relação
 *ensina a dar valor ao parceiro
 *pode ser visto como um sinal de amor
 *faz com que o parceiro se sinta mais desejado
 *pode renovar um relacionamento mais desgastado
 *faz com que o parceiro se sinta vivo
 *pode tornar a relação mais duradoura
CONCLUSÃO
Como podemos ver neste esboço sobre este tema tão complexo o ciúmes com características patológica, prejudica a relação e a pessoa que esta sofrendo deste distúrbio emocional levando a pessoa se não diagnosticada a tempo a quadros depressivos profundos as vezes levando até a loucura, como também a falta dele dentro de sua normalidade aponta um problema dentro da relação do casal, o que também pode Ter sua conseqüências, tais como o rompimento da relação ou a infidelidade dentro da relação, portanto precisamos estar conversando contentemente com nosso parceiro (a) os problemas que são gerados dentro da relação para que possamos Ter um relacionamento e equilibrado, pedindo sempre a graça e a misericórdia Divina sobre nosso relacionamento.


 


“Não porei coisa má diante dos meus olhos.  Odeio a obra daqueles que se desviam; não se me pegará a mim” – Salmo 101-3.
Está mais do que comprovado o efeito que a programação da TV exerce sobre as pessoas, portanto, segue mais uma interessante informação que tem tudo a ver com a família, o cristianismo e a sociedade brasileira.  Novelas provocam queda em natalidade no Brasil, diz estudo: A queda na taxa de natalidade no Brasil está relacionada com a audiência das telenovelas, segundo sugere um estudo realizado no Centro de Pesquisas para Política Econômica da Grã-Bretanha (CEPR, na sigla em inglês).
Segundo o estudo, publicado neste mês, o tamanho pequeno das famílias representadas nas tramas das novelas brasileiras seria distante da realidade e influenciaria as mulheres a desejar poucos filhos.  Dados do Censo indicam que a taxa de natalidade caiu de 6,3 crianças por cada mulher em 1960 para 2,3 em 2000.  De acordo com a pesquisa, esse declínio se deve não apenas pelo hábito de assistir televisão, mas especificamente pela audiência das telenovelas produzidas pela Rede Globo.  ”Descobrimos que as mulheres que vivem em áreas cobertas pelo sinal da Globo apresentaram taxa de natalidade muito menor.  As novelas mexicanas e importadas transmitidas por outros canais não causaram impacto na natalidade”, diz o estudo, conduzido pelos pesquisadores Eliana La Ferrara, Alberto Chong e Suzanne Duryea.
Os pesquisadores analisaram o conteúdo de 115 novelas transmitidas pela Globo em dois horários diferentes entre 1965 e 1999 e descobriram que 72% das personagens femininas com idade até 50 anos não tinham filhos, comparados com 21% das personagens que eram mães.  Para alcançar os resultados, a equipe comparou os dados das novelas com o índice de natalidade do país e o alcance do sinal da emissora em diversas áreas.  O estudo indica que há uma relação entre o alcance do sinal da emissora e uma diminuição nas taxas de natalidade das mulheres que vivem nas áreas cobertas pelo canal.  Segundo a pesquisa, o impacto é maior em mulheres com nível sócio-econômico mais baixo e na fase central e mais adiantada do ciclo de fertilidade.  Nomes Além da análise do impacto no índice de natalidade, a pesquisa aponta ainda que as personagens femininas influenciam de maneira “surpreendente” as escolhas dos nomes dos filhos.  ”As mães que vivem em áreas cobertas pela Rede Globo são quatro vezes mais propensas a batizar seus filhos com o nome de um dos personagens das telenovelas”, diz a pesquisa.
Os pesquisadores compararam 15 nomes de estudantes do ensino fundamental recolhidos no Ministério da Educação em 2005.  A equipe comparou os padrões dos nomes mais comuns com os nomes dos personagens principais das telenovelas da Globo no ano em que as crianças nasceram – a maioria em 1994.  Depois da análise, os pesquisadores descobriram, entre os 20 nomes mais comuns de bebês nascidos em 1994, pelo menos um era também o nome de um personagem de alguma novela transmitida naquele ano.  ”Acreditamos que estes dados sobre o padrão dos nomes sugere uma relação forte entre o conteúdo da novela e o comportamento da audiência”, diz o estudo.
Para os pesquisadores, o impacto das telenovelas na população pode ter implicações importantes para os governos elaborarem suas políticas públicas em países em desenvolvimento, onde a taxa de analfabetismo é elevada.  ”Nosso trabalho sugere que os programas direcionados para a população local têm potencial para atingir um número enorme de pessoas a um custo muito baixo”, diz a pesquisa.  Para os pesquisadores, questões como a educação infantil, a Aids e os direitos das minorias podem ser levantadas em programas de televisão para alertar a população.
Por: Vilson Ferro



Um homem e uma mulher estavam casados por mais de 60 anos. Eles tinham compartilhado tudo um com o outro e conversado sobre tudo. Não haviam segredos entre eles, com exceção de uma caixa de sapato que a mulher guardava em cima de um armário e tinha avisado ao marido que nunca abrisse aquela caixa e nem perguntasse o que havia nela.
Por todos aqueles anos ele nunca nem pensou sobre o que estaria naquela caixa de sapato. Um dia a velhinha ficou muito doente e o médico falou que ela não sobreviveria. Sendo assim, o velhinho tirou a caixa de cima do armário e a levou pra perto da cama da mulher. Ela concordou que era a hora dele saber o que havia naquela caixa. Quando ele abriu a tal caixa, viu 2 bonecas de crochê e um pacote de dinheiro que totalizava 95 mil dólares. Ele perguntou a ela o que aquilo significava, ela explicou;
- Quando nós nos casamos minha avó me disse que o segredo de um casamento feliz é nunca argumentar/brigar por nada. E se alguma vez eu ficasse com raiva de você que eu ficasse quieta e fizesse uma boneca de crochê. O velhinho ficou tão emocionado que teve que conter as lágrimas enquanto pensava ‘Somente 2 bonecas preciosas estavam na caixa. Ela ficou com raiva de mim somente 2 vezes por todos esses anos de vida e amor.’
- Querida!!! – Você me explicou sobre as bonecas, mas e esse dinheiro todo de onde veio?
- Ah!!! – Esse é o dinheiro que eu fiz com a venda das bonecas.
Oração: Senhor, dai me sabedoria para entender meu Marido, amor para perdoá-lo e paciência para aturá-lo…

 

“Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo como passar dos anos não se desviará deles.” (Provérbios 22:6 – Bíblia Sagrada NVI)

1- Ser uma pessoa de oração! Visto que as crianças aprendem a partir daquilo que vêem em seu ambiente, o elemento fundamental para ensinar crianças menores a orar é sermos pessoas de oração.
2 – Usar linguagem apropriada e do dia a dia com elas, e ver que as orações sejam breves, simples, sinceras e diretas. Assegure-se de orar a respeito de fatos do dia a dia a fim de que cada criança possa compreender. Por exemplo: toda vez que ouvir as sirenes do carro de bombeiros, pare! Profira uma oração em voz alta. Faça-a com as crianças.
3- Fazer da oração uma prioridade! Defina uma hora e lugar acolhedor e amoroso para ajudar as crianças a aceitarem a Deus. Prepare um lugar aconchegante de oração para ser usado antes do início do programa. Você pode incluir uma Bíblia para crianças, almofadas macias, música suave e relaxante como também livros sobre a oração e apropriados à faixa etária
4- Tornar a oração uma rotina! As crianças apreciam a rotina e assim esta deve ser incorporada sempre que possível. Por exemplo, comece o dia com uma oração cumprimentando a Deus: “Pai celestial, ouça a minha oração. Que eu esteja sob o Seu amor e cuidado. Sê meu guia em tudo o que eu fizer hoje. Abençoe aqueles que me amam e a todas as crianças também”. Se durante a programação as crianças forem comer algo, profira esta linda oração: “Obrigado Senhor Deus por este mundo tão belo. Obrigado pelo alimento”.
5- Praticar a oração de improviso! Quando a criança o procura com uma preocupação ou problema, pare e faça uma oração com ela. Peça a direção de Deus. Por exemplo, você pode dizer: “Querido Deus, por favor, ajuda o José a ser melhor. Ajuda-o a partilhar seus brinquedos especiais com seu amigo João”. Por meio de nosso apoio podemos instilar a idéia de que podemos conversar com Deus, a qualquer ora e de que Ele sempre irá ouvir.
6- Usar orações diferentes! Como adultos usamos orações de agradecimento, de adoração, de petição e de louvor. Agradecemos a Deus pela melhor parte de nosso dia e sempre que algo bom acontece – não importa o quão pequeno – dedicamos um minuto para mostrar gratidão. Devemos ensinar isso às crianças. Muitas vezes agradecemos a Deus por Suas bênçãos; devemos incentivar aqueles que estão aos nossos cuidados a fazerem o mesmo.
7- Incorporar atividades práticas sempre que possível! É boa prática planejar formas de permitir às crianças se movimentarem, ver ou tocarem como parte da lição. Crie uma colagem de “Obrigado, Deus” em sua classe e desenhe ou escreva suas orações. Elas podem também mostrar ou dizer como Deus respondeu a cada um. Para as crianças muito pequenas, alguém pode escrever por elas.
8- A cada momento dirigir a atenção das crianças para a Criação de Deus! Dê apoio ao senso natural de admiração e temor daqueles que estão sob sua responsabilidade. Agradeça a Deus, espontaneamente, ao ver um arco-íris depois de uma tempestade, ou as flores da primavera. Diga: “Vejam o que Deus fez para nós”!
9- Convidar as crianças a orarem por motivos específicos! Troquem idéias com as crianças e falem a respeito de situações e de pessoas por quem orar. Torne suas orações significativas ao orar especificamente por crianças da sala, pelas vítimas de alguma catástrofe local ou em outra região.
10- Celebrar a oração de cada criança! Alimente a auto-estima e elogie a oração proferida pela criança. “Muito bem, você fez uma oração muito bonita!” “Obrigado, (nome da criança). Deus fica feliz quando nos dirigimos a Ele”.!
Fonte: Abraço Amigo

 

Por Pastor Ismael.

Lc. 7:11-15
"E aconteceu que, no dia seguinte, ele foi à cidade chamada Naim, e com ele iam muitos dos seus discípulos, e uma grande multidão;
E, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade.
E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores.
E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o defunto assentou-se, e começou a falar.
E entregou-o a sua mãe."


O domingo foi especial para a família, algumas coisas já fazem parte da rotina, compromissos matinais na igreja, almoço com macarronada e carne assada, e à tarde futebol na tv. Tudo isso é bom, entretanto tivemos um motivo a mais para dar nela , a mãe, um abraço mais gostoso, diferente, apertado, pois este foi o seu domingo, o seu dia. Diz alguém que deveria ser comemorado todos os dias e não somente uma vez ao ano, com o que concordo, mas entendo também que é bom ter uma data específica, exclusiva para ela, a celebração pode ser mais intensa.
No sermão da noite pedi a Deus uma direção para ministrar no coração da família, falando com mães e filhos, maridos e esposas e Ele foi bom conosco atendendo o nosso pedido.
Meditando sobre o texto de Lucas 7:11-15, vemos o encontro de duas multidões, uma entrava na cidade levando esperança e a outra saia em completo desespero.A primeira contava com a presença de Jesus, e a segunda com o desconsolo de uma mãe que acabara de perder o filho. Ele era  o seu bem mais precioso e agora se encontrava em um caixão à caminho da sepultura. 
Um filho é o maior dádiva que uma mãe pode receber da vida, um filho é o ser que completa o seu ser, dá significância a sua vida, e essa era a razão da tristeza daquela mulher. Ela já havia perdido o marido e agora o filho, e no seu coração havia um questionamento, o que o dia de amanhã trará debaixo de suas asas. Como será a minha vida daqui para frente? Onde encontrarei a segurança necessária ? E a provisão para as necessidades ? Quem vai compartilhar a vida comigo? Quantas perguntas sem respostas. 
Eu fico imaginando o que se passava no coração daquela mulher. Havia sim uma multidão que a acompanhava, mas ela sabia que era uma presença por pouco tempo, pois cada um voltaria para os seus próprios problemas e ela estaria sozinha, ela e ela e mais ninguém.
Mas quis Deus que ela tivesse um encontro com Jesus naquele dia, e esse encontro trouxe asrespostas que ela buscava dentro de si mesma.
Jesus olhou a multidão e se interessou pelo que estava ocorrendo, não como mais um curioso, mas como alguém que podia fazer algo a respeito. E assim o fez. Ele se aproximou da mulher que perdera o filho, sofreu junto com ela, e lhe disse: Não chores. Me lembrei das muitas vezes que dizemos isso as pessoas , mas não oferecemos nada mais do que palavras vazias que que .na verdade, não esperamos nem mesmo que sejam ouvidas, pois sabemos que o choro é o que resta para se fazer. 
Jesus é diferente, ele estava dizendo: Não chores porque eu vou resolver isso. Em seguida, tocou no caixão e disse: “Jovem eu te digo, levanta-te.” E o moço se levantou , conversou e foi entregue a sua mãe. O menino que estava saindo voltou, voltou para a cidade, para a sua mãe, para a vida. Mudou o rumo, mudou a turma, mudou tudo.

Duas mensagens temos aqui: 

Primeiro, sempre há esperança, toda circunstância, por pior que seja, por mais grave que se apresente, está sujeita a mudança. 
Quantas mães estão vendo seus filhos sendo conduzidos por estranhos, quantas estão perdendo seus queridos, e não há resposta, não encontra uma saída para o seu dilema, filhos sendo levados pelo mundo das drogas, da rebeldia contra pais, levados por doenças terríveis. Escute, há esperança para os desesperados. 
A Onipresença de Jesus passa por cada mãe, por cada alma, e ainda se comove com sua dor, e tem sempre disposição de mudar o quadro, de reverter situações humanas, por isso não desanime, não desista, continue a crer Nele.

Segundo, vemos aqui uma mensagem para os filhos, os moços que estão sendo levados pela multidão para um lugar sem volta. Esses meninos precisam ,hoje, ouvir as palavras de Jesus: “Jovem, eu te digo, levante-se, porque tenho uma nova direção para você. Saia desse caminho de morte e venha para uma nova vida, comece de novo, junte-se aos seus , a sua mãe”.

Creio que naquele momento, houve um grande reboliço, pessoas gritavam, outras corriam, umas criam, outras não, não importa, o menino se levantou e saiu daquela situação. Para mudanças radicais é preciso ter coragem, ousadia, saber que haverá questionamentos, pessoas não aceitaram com facilidade, haverá resistência, mas o que importa, é que se ouça Jesus e não outra voz.
Para concluir, mãe há esperança para o teu desespero, e jovem, pule fora deste caixão em que você foi colocado e volte para a cidade, para a família, junte-se a multidão de Jesus.

"Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; Se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela" (Salmo 127:1).
Deus nos criou e designou o casamento e a família como a mais fundamental das relações humanas. Em nosso mundo de hoje em dia, vemos famílias atormentadas pelo conflito e arrasadas pela negligência e o abuso. O divórcio tornou-se uma palavra comum, significando miséria e dureza para os múltiplos milhões de suas vítimas. Muitos homens jamais aprenderam a ser esposos e pais devotados. Muitas mulheres estão fugindo de seus papéis dados por Deus. Pais que não têm nenhuma idéia de como preparar seus filhos estão assim perturbados pelo conflito com seus rebentos rebeldes. Outros simplesmente abandonam seu dever, deixando filhos sem qualquer preparação ou provisão.
Para muitas pessoas, hoje em dia, a frase familiar e confortadora "Lar, Doce Lar" não é mais do que uma ilusão vazia. Não há nada doce ou seguro num lar onde há o abuso, a traição e o abandono.
Haver  uma solução? Poderemos evitar tais tragédias em nossas famílias? Poderão os casais jovens manter o brilho do amor e do otimismo décadas depois de fazerem os votos no casamento? Haverá esperança de recuperação dos terríveis erros do passado?
A resposta para todas estas perguntas é SIM! As soluções raramente são fáceis. A construção de lares sólidos não acontece por pura sorte. Somente pelo retorno ao padrão de Deus para nossas famílias poderemos começar a entender as grandes bênçãos que ele preparou para nós em lares construídos sobre a rocha sólida da sua palavra. Consideremos brevemente alguns princípios básicos ensinados na Bíblia sobre a família.

O Propósito Básico de Deus para a Família

Quando temos dificuldade com a geladeira, entendemos que o fabricante, que escreveu o manual do usário, sabe mais sobre o aparelho do que nós. Lemos o manual para resolver o problema. Quando vemos tantos problemas nas famílias de hoje, só faz sentido que nosso Criador, que escreveu o "manual do usuário", sabe mais a respeito da família do que nós. Precisamos ler o manual para achar como construir e manter bons lares. Encontramos estas instruções na Bíblia. Ela nos guia em cada aspecto do serviço a ele, incluindo a realização de nossos papéis na família.

Casamento

A família começa com o casamento. Quando Deus criou Adáo e Eva, ele revelou seu plano básico para o casamento: "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gênesis 2:24). Este plano é claro. Um homem ligado a uma mulher. Milhares de anos mais tarde, Jesus afirmou que este ainda é o plano de Deus. Ele citou este versículo e acrescentou: "Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19:6). Este casamento é uma relação para toda a vida. Somente a morte deve cortar este laço (Romanos 7:1-3).
Deus aprovou as relações sexuais somente dentro do casamento. Não há nada de mal ou impuro sobre as relações sexuais dentro de um casamento aprovado por Deus (Hebreus 13:4). Esposos e esposas têm a responsabilidade de satisfazer os desejos sexuais (dados por Deus) aos seus companheiros (1 Coríntios 7:1-5).
Todas as outras relações sexuais são sempre e absolutamente erradas. Relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo são absolutamente proibidas por Deus (Romanos 1:24-27; 1 Coríntios 6:9-11). Deus não criou Adão e João. Ele fez uma mulher, Eva, como uma parceira apropriada para Adão. As relações sexuais antes do casamento, mesmo entre pessoas que pretendem se casar, são condenadas por Deus (1 Coríntios 7:1-2, 8-9; Gálatas 5:19). As relações sexuais extra-conjugais são também claramente proibidas (Hebreus 13:4).

Filhos

Casais assim unidos diante de Deus pelo casamento gozam o privilégio de terem filhos. Deus ordenou a Adão e Eva e aos filhos de Noé que tivessem filhos (Gênesis 1:28; 9:1). Ainda que nem todas as pessoas tenham que se casar, e que nem todas terão filhos, é ainda o plano básico de Deus que os filhos nasçam dentro de famílias, completas com pai e mãe (1 Timóteo 5:14). Em lugar nenhum da Bíblia encontramos autorização para uma mulher ter relações sexuais para conceber um filho, antes ou sem casamento. A paternidade solteira, que está se tornando moda em nossa sociedade moderna é um afastamento do plano de Deus que terá  sérias conseqüências para as gerações vindouras.

Papéis Dados por Deus Dentro da Família

Dentro desta estrutura do propósito Divino, consideremos os papéis que Deus atribuiu aos homens, mulheres e filhos.

Homens: Esposos e Pais

A responsabilidade dos esposos é bem resumida em Efésios 5:25: "Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela". O esposo tem que colocar as necessidades de sua esposa acima das suas próprias, mostrando devoção desprendida aos melhores interesses da "parte mais frágil" que necessita da sua proteção. Ele tem que trabalhar honestamente para prover as necessidades da família (2 Tessalonicenses 3:10-11; 1 Timóteo 5:8).
Os pais são especialmente instruídos por Deus para preparar seus filhos na instrução e na disciplina do Senhor (Efésios 6:4). Este é um trabalho sério e, às vezes, difícil, mas com resultados eternos! Os espíritos de seus filhos existirão eternamente, ou na presença de Deus ou separados dele. A maior meta de um pai para seus filhos deveria sempre ser a salvação eterna deles.

Mulheres: Esposas e Mães

Uma esposa tem um papel muito desafiador no plano de Deus. Ela tem que complementar seu esposo como uma auxiliar submissa, que partilha com ele as experiências da vida. As pressões da sociedade moderna para rejeitar a autoridade masculina não obstante, a mulher devota aceita seu papel como aquela que é cuidadosamente submissa ao seu esposo (Efésios 5:22-24; 1 Pedro 3:1-2). As mulheres de hoje em dia que rejeitam este papel dado por Deus estão na realidade difamando a palavra dele (Tito 2:5).
Deus instrui as mulheres para mostrarem terna afeição aos seus esposos e filhos, e a serem honestas e fiéis donas de casa (Tito 2:4-5). Apesar dos esforços de algumas pessoas para desvalorizar o papel das mulheres que são dedicadas a suas famílias, Deus tem em alta estima a mulher que é uma boa dona de casa e uma amorosa esposa e mãe. Tais mulheres devotas são também dignas de respeito e apreciação de seus esposos e filhos (Provérbios 31:11-12,28).

Filhos: Seguidores Obedientes

Deus também definiu o papel dos filhos. Paulo revelou em Efésios 6:1-2 que os filhos deverão:
1. Obedecer a seus pais. Deus colocou os pais nesta posição de autoridade e os filhos têm que respeitá-los. Muitas pessoas consideram a rebeldia de uma criança como uma parte comum e esperada do "crescimento", mas Deus coloca-a na lista com outros terríveis pecados contra ele (2 Timóteo 3:2-5).
2. Honrar seus pais. Os pais que sustentam, instruem e preparam seus filhos devem ser honrados. Jesus mostrou que esta honra inclui prover as necessidades dos pais idosos (Mateus 15:3-6).

Lares Piedosos Nestes Dias?

É, freqüentemente, muito difícil corrigir anos ou mesmo gerações de erros. Mas está claro que o único modo pelo qual podemos esperar ter boas famílias construídas nos princípios divinos é voltar ao plano que Deus tem revelado. Temos que estudar a Bíblia, aprender estes princípios, aplicá-los em nossas vidas, e ensiná-los aos nossos filhos e aos outros. Lembre-se, os benefícios serão eternos!
Você está construindo seu lar sobre a fundação da palavra de Deus?
- por Dennis Allan
Olá pessoal, não sei se já comentei mas gosto de costurar e me aventura fazendo biquínis.

Dá uma olhadinha neste biquíni que fiz esta semana. Na calcinha tem um cinto na mesma cor tecido que da um detalhe disfarçando a barriguinha. O Top é com bojo tipo curtinha, o diferencial neste top são as alças lagar para quem quer ficar com aquela marquinha... 
Modesta parte ficou muito bonito!!!




No ventre de uma mulher grávida, dois bebês estão tendo uma conversa. Um deles é crente e outro ateu.
O Ateu: Você acredita na vida após o nascimento?
O Crente: Claro que sim. Todo mundo sabe que existe vida após o nascimento. Nós estamos aqui para crescer fortes o suficiente e nos preparar para o que nos espera depois.
O Ateu: Bobagem! Não pode haver vida após o nascimento! Você pode imaginar como seria essa vida?
O Crente: Eu não sei todos os detalhes, mas acredito que exista mais luz, e talvez a gente caminhe e se alimente lá.
O Ateu: Besteira! É impossível andarmos e nos alimentarmos! É ridículo! Nós temos o cordão umbilical que nos alimenta. Eu só quero mostrar isso para você: a vida após o nascimento não pode existir, porque a nossa vida, o cordão, já é demasiado curta.
O Crente: Eu estou certo de que é possível. Ela será um pouco diferente. Eu posso imaginá-la.
O Ateu: Mas não há ninguém que tenha voltado de lá! A vida simplesmente acaba com o nascimento. E, francamente, a vida é apenas um grande sofrimento no escuro.
O Crente: Não, não! Eu não sei como a vida após o nascimento será exatamente, mas em todo caso, nós encontraremos nossa mãe e ela cuidará de nós!
O Ateu: Mãe? Você acha que tem uma mãe? Então, onde ela está?
O Crente: Ela está em toda parte à nossa volta, e nós estamos nela! Nós nos movemos por causa dela e graças a ela, nós nos movemos e vivemos! Sem ela, nós não existiríamos .
O Ateu: Bobagem! Eu não vi nenhuma mãe semelhante; portanto, não existe nenhuma.
O Crente: Eu não posso concordar com você. Na verdade, às vezes, quando tudo se acalma, nós podemos ouvi-la cantar e sentir como ela acaricia o nosso mundo. Eu acredito fortemente que a nossa vida real começará somente após o nascimento. Eu creio!
Na semana passada comemoramos mais um ano de vida do Francisco.
Vejam algumas fotos...








Deus continue te abençoando marido...
Parabens!!!
A juventude é uma época da vida emocionante e desafiadora. A transição de criança para adulto é cheia de maravilhas. A criança ganha independência, desenvolve uma personalidade ímpar, assume responsabilidades e, quase antes que alguém note, emerge como um adulto.
Mas essa transição não é sempre fácil. Há tentações e desejos a serem superados. Há decisões a tomar que determinarão o futuro, pode ser até mesmo para a eternidade. Mas, jovem, você não foi deixado à deriva no mar revolto da vida, sem uma bússola. O Deus que o fez traçou o curso do sucesso e da segurança. Confie nele e você chegará ao destino certo.
Freqüentemente associamos a sabedoria com a idade e os cabelos grisalhos. É verdade que as experiências na vida podem equipar-nos para manejar decisões e desafios maiores. Mas a idade não é garantia de sabedoria. Salmo 119:99-101 mostra como o jovem pode ser mais sábio do que o velho.

As experiências ajudam, mas jamais servirão como substituto do estudo da palavra de Deus. Eu sou privilegiado por conhecer algumas das mais finas pessoas desta terra, e muitas delas ainda não completaram o 25º aniversário. Essas pessoas (moços e moças) são piedosas e sabem o que Deus quer delas e também possuem coragem para fazer a vontade dele. Elas podem estar rodeadas por um mundo cheio de sensualidade e egoísmo, mas são bastante fortes para serem diferentes. Elas me encorajam a ser uma pessoa melhor.
Graças a Deus pelos jovens que seguem as instruções que Paulo deu a Timóteo: "Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza" (1 Timóteo 4:12).
- por Dennis Allan


"Compreendo mais do que todos os meus mestres, porque medito nos teus testemunhos. Sou mais prudente que os idosos, porque guardo os teus preceitos. De todo mau caminho desvio os pés, para observar a tua palavra."
Olá...
Esta foi mais uma apresentação do Coral de Senhoras da Igreja Batista da Esperança.
Você também é um vencedor?!?



"Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou."
Romanos 8.37



1 Coríntios 13, 1-13


1 Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos,
se não tiver amor,
sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine.
3 Ainda que eu reparta todos os meus bens
e entregue o meu corpo para ser queimado,
se não tiver amor,
de nada me aproveita.
4 O amor é paciente,
o amor é prestável,
não é invejoso,
não é arrogante nem orgulhoso,
5 nada faz de inconveniente,
não procura o seu próprio interesse,
não se irrita nem guarda ressentimento.
6 Não se alegra com a injustiça,
mas rejubila com a verdade.
7 Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8 O amor jamais passará.
As profecias terão o seu fim,
o dom das línguas cessará,
e a ciência será inútil.
9 Pois o nosso conhecimento é imperfeito,
e imperfeita é também a nossa profecia.
10 Mas, quando vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá.
11 Quando eu era criança, 
falava como criança, pensava como criança,
raciocinava como criança.
Mas, quando me tornei homem,
deixei o que era próprio de criança.
12 Agora, vemos como num espelho, de maneira confusa;
depois, veremos face a face.
Agora, conheço de modo imperfeito;
depois, conhecerei como sou conhecido.
13 Agora permanecem estas três coisas:
a fé, a esperança, o amor;
mas a maior de todas é o amor.

Feliz Dia dos Namorados


Mais ZoomMenos Zoom